FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

O Museu Histórico de Santa Catarina (MHSC), sediado no Palácio Cruz e Sousa, no centro de Florianópolis, ficará fechado de 03 a 12 de janeiro de 2022.

Atualização: reabrirá na quinta, dia 13, às 10h.

O motivo é a realização de limpeza das fachadas com cloro e posterior pintura.

 

A violinista florianopolitana Waleska Sieczkowska, hoje residente em Munique (Alemanha), realizará uma série de concertos com o programa “O Anjo Guardião” em lugares históricos da Ilha de Santa Catarina. Na terça-feira, 28 de dezembro, às 20h, será apresentado no Museu Histórico de SC / Palácio Cruz e Sousa (centro), com entrada gratuita. 

Waleska é especialista em violino barroco e apresentará um repertório solo com obras emblemáticas dos séculos XVII e XVIII. No centro do programa está a Passacaglia de H. I. F. Biber intitulada “O Anjo Guardião “, obra que dá nome ao espetáculo. A violinista se apresentará com um violino de 1743 montado de acordo com o uso da época.

 

WALESKA SIECZKOWSKA

A violinista florianopolitana Waleska Sieczkowska reside atualmente na Alemanha, onde mantém uma intensa atividade de concertos e é professora de violino nas escolas de música municipais de Mindelheim e Penzberg. Na Europa participa de concertos, festivais e gravações com renomados grupos como a Hofkapelle München, Münchener Kammerorchester, Il Pomo d'Oro Orchestra (Itália), Academia Montis Regalis (Itália) e Ensemble Turicum (Suíça). Já se apresentou também em importantes salas como Schubert Saal de Viena, Cuvilliés Theater em Munique e no Schlosstheater Schwetzingen.

Em 2011, junto ao violoncelista Anderson Fiorelli, Waleska formou o Villa Duo, com o qual apresenta-se regularmente em concertos no Brasil e na Europa.

Integrou por diversos anos a Camerata Florianópolis, onde foi spalla e atuou como solista em várias oportunidades. Entre 2010 e 2013 foi a primeira violinista do Quarteto Jurerê Classic e deu aulas em projetos sociais em Santa Catarina. 

Waleska se formou pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2010) e prosseguiu estudos com a professora Elisa Fukuda (SP). Em 2013 mudou-se para a Europa e ingressou na classe de violino barroco de Stefano Montanari na Milano Civica Scuola di Musica (Itália). Posteriormente a violinista estudou com a professora Mary Utiger na Hochschule für Musik und Theater München (Alemanha). Concluiu o mestrado em Violino Barroco na classe de Midori Seiler na Universität Mozarteum Salzburg.

Atualmente Waleska Sieczkowska toca num violino do construtor alemão Leonhard Maussiell  de 1743.

 A série de recitais, que passará por outros locais históricos de Florianópolis, conta com o Apoio Cultural do Villa Romana Shopping e patrocínio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, Fundação Franklin Cascaes, Prefeitura de Florianópolis. A produção é de Maria Elita Pereira.

PROGRAMA

O Anjo Guardião – Música Barroca para Violino Solo

Nicola Matteis (1640 – 1713)

Passagio Rotto

Johann Sebastian Bach (1685-1750)

Partita III em Mi Maior , BWV 1006

Preludio – Gavotte en Rondeau

Georg Philipp Telemann (1681-1767)

Fantasia I para Violino Solo em Si bemol Maior 

Largo – Allegro – Grave – Allegro 

Heinrich Ignaz Franz Biber (1644-1704)

Passacalha em Sol Menor “O Anjo Guardião”

Giuseppe Tartini (1692-1770)

Sonata para Violino e Baixo Contínuo em Sol Menor  “O Trilo do Diabo” 

(arr. Waleska Sieczkowska)

Largo – Allegro – Andante. Allegro


SERVIÇO:

O QUE? O Anjo Guardião, apresentado pela violinista Waleska Sieczkowska

QUANDO? 28 de dezembro

ONDE?  MHSC / Palácio Cruz e Sousa, centro de Florianópolis

ENTRADA: Gratuita.

** com informações daa assessoria de imprensa do espetáculo.

A partir da próxima semana entra em cartaz a mostra "Tapeçarias de Tirelli", no Museu Histórico de Santa Catarina / Palácio Cruz e Sousa, espaço cultural administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC). A exposição conta com tapeçarias do artista maranhense que ficaram conhecidas por adornar o Aeroporto Hercílio Luz, na capital, e foram doadas à FCC em 2020. Antes de serem expostas, passaram por um longo processo de higienização realizado pela equipe do Ateliê de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Atecor). As peças poderão ser vistas de perto até março de 2022, com entrada gratuita.

A abertura da exposição será na quarta-feira, 22, às 18h, junto com o lançamento do Livro “O ocaso e o acaso da vida e obra de Almir Tirelli em Santa Catarina”, de Sandra Makowiecky. 

 

Sobre o artista e as obras*

Almir Tirelli (1926-2012) nasceu em São Luiz (Maranhão) em 1926. Chegou em Santa Catarina no ano de 1966 e foi embora para Minas Gerais no ano de 2000. Passado alguns anos, em 2008, sentindo falta do mar, mudou-se para Guarapari (Espírito Santo), aos 82 anos de idade. Faleceu em 2012, aos 86 anos de idade. Realizou uma prolífica produção de obras de arte, entre desenhos, pinturas e tapeçarias.

O artista utilizava, em suas telas, tinta acrílica e nas tapeçarias, ponto smirna com lã, onde prepondera como tema o Brasil colonial, suas edificações, costumes e folclore, destacando aspectos arquitetônicos e culturais da cidade.

Como artista festejado e reconhecido, sob patrocínio de empresários locais, realizou uma série de tapeçarias que hoje é patrimônio de Santa Catarina e considerada a maior tapeçaria já confeccionada artesanalmente no Brasil. O painel dividido em três peças, cada uma com aproximados 2,85 x 3,85 metros, totalizam como painel, 36 metros quadrados. Ele destaca-se pela profusão de cores e de imagens. Um olhar apenas não basta para compreender a grandiosidade do trabalho do artista. Mais duas obras estão presentes nesta exposição, totalizando cinco tapeçarias, sendo que as outras duas medem 1,37 m x 1,95 metros. A dimensão grandiosa é destaque no conjunto das obras.

As tapeçarias de Tirelli foram colocadas no saguão do antigo Aeroporto Hercílio Luz pois foram criadas exclusivamente para recepcionar os viajantes que chegavam ao aeroporto da cidade, inaugurado em 1976. A ideia sempre foi a de que as obras ficassem expostas em sua porta de entrada mais sofisticada, o hall do aeroporto, na área de desembarque, para que os visitantes pudessem apreciar a arte, os costumes, a arquitetura da época colonial da Florianópolis. Durante a construção do novo aeroporto, as obras foram para Curitiba e lá permaneceram (2018 a 2020).

No ano de 2020, as tapeçarias de Almir Tirelli voltaram para Santa Catarina após assinatura de termo de doação entre Fundação Catarinense de Cultura e Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), em Curitiba (PR), onde a obra estava salvaguardada. As tapeçarias passaram por um processo de higienização, por especialistas em conservação e restauração da Fundação Catarinense de Cultura. Agora, as tapeçarias estão prontas para serem exibidas ao público. Pois o bom filho à casa tornou.

* Por: Sandra Makowiecky, Historiadora da Arte / Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte - ABCA e do Conselho Consultivo do Museu de Histórico de Santa Catarina

 

Serviço:

Mostra Tapeçarias de Tirelli
Abertura: 22 de dezembro, 18h
Visitação: até 12/03/2022, nas segundas-feiras, das 13h às 17h; de terça a sexta-feira, das 10h às 17h; sábados, das 10h às 14h.
Entrada gratuita.
Classificação indicativa livre.

 

O Museu Histórico de Santa Catarina (MHSC) recebe no próximo dia 17 de dezembro, às 16h, a exposição/intervenção Água de Colonial Caldas dos Bororenos. A iniciativa foi contemplada pelo Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura promovido pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) em 2020 e segue aberta à visitação do público até 17 de fevereiro de 2022.

A intervenção do artista plástico e "caixeiro viajante" Silfarlem Oliveira, artista plástico e caixeiro viajante já foi apresentada em diversas cidades do estado neste ano. Em cada local, ele faz o lançamento/inauguração e a distribuição de "frascos/minimonumentos” da solução de limpeza corporal anticolonial Água de Colonial Caldas dos Bororenos. Na ocasião, também é instalada temporariamente uma vitrine que abriga a intervenção artística.

Para a instalação da vitrine expositora, estão sendo priorizadas arquiteturas e museus artísticos, culturais e históricos que resguardam arquivos, objetos e outros artefatos que narram a história da colonização (do Brasil colônia ao Brasil república). Já que esses acervos geralmente documentam a história a partir de uma ótica não indígena, o minimonumento tem como aspiração (histórica/estética) homenagear e sinalizar a presença dos povos indígenas (Guarani, Kaingang e Xokleng) em Santa Catarina. Descolonizar os museus e os monumentos (patrimônios culturais/artísticos) e ativar a memória histórica a partir de um ponto de vista indígena, isso propõe, com suas ações e intervenções artísticas, a Companhia Descolonizadora.

Estão programadas duas distribuições de exemplares do “frasco/minimonumento” da Água De Colonial Caldas dos Bororenos. Uma no ato de abertura da exposição/intervenção e outra ao ar livre, em vias com grande circulação de pedestres. A ideia é que a proposição artística não fique restrita apenas aos frequentadores de museus, mas que seja igualmente uma intervenção no espaço público.

Serviço:

O quê: Exposição/intervenção Água de Colonial - Caldas dos Bororenos
Abertura: 17/12/2021, 16h
Visitação: até 17/02/2022. Segundas-feiras, das 13h às 17h; de terça a sexta-feira, das 10h às 17h; sábados, das 10h às 14h.
Onde: Museu Histórico de Santa Catarina - Localizado no Palácio Cruz e Sousa
Praça XV de novembro - Centro - Florianópolis

Na semana do aniversário de Cruz e Sousa, que dá nome ao Palácio onde está localizado o Museu Histórico de Santa Catarina, o Núcleo de Ação Educativa da instituição propõe uma atividade educativa em homenagem ao poeta. Voltada a estudantes do ensino fundamental, a iniciativa instiga os participantes a pesquisar a biografia do escritor e conhecer sua obra.

:: Clique e confira a proposta completa

A atividade dá prosseguimento a uma série de propostas interativas envolvendo a exposição "200 anos de Anita Garibaldi: Vida, Coragem e Paixão", em cartaz no Museu. No dia 12 de novembro, foi lançada a proposta relacionada ao Mapa com as Rosas de Anita, que foram tema de outra atividade anterior.

:: Clique aqui e baixe a atividade relacionada ao Mapa com as Rosas de Anita
:: Clique aqui e baixe a atividade inspirada na imagem da Rosa de Anita

As criações feitas a partir dessas propostas podem ser enviadas para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e poderão ser publicadas na página do MHSC no Facebook.

Ano de Anita

Essa programação integra o Ano Comemorativo do Bicentenário de Nascimento de Anita Garibaldi, instituído por meio de decreto. Desde 2019, a FCC vem trabalhando na organização de atividades para 2021 junto à Comissão Estadual Comemorativa ao Bicentenário de Anita Garibaldi. Tal Comissão foi instituída por meio da Portaria FCC nº 39/2019, e tem o objetivo de promover e difundir a história da heroína catarinense. O grupo é composto por diversos órgãos públicos, como Secretarias de Estado e prefeituras, além de entidades públicas e privadas, entre as quais o Instituto CulturAnita, de Laguna e, na Itália, os parceiros são Museu e Biblioteca Renzi, Instituto Garibaldi Da Vinci e Associação Nacional dos Veteranos Garibaldinos.