FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

A atual sede do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina e da Academia Catarinense de Letras, hoje intitulada Casa José Boiteux, passou por uma restauração completa em 2010. O prédio foi construído no começo da década de 1920, com recursos públicos, para servir inicialmente como sede da primeira instituição de ensino superior de Santa Catarina, o Instituto Polytechnico, cuja criação data de 1917.

Na época da construção da atual Casa José Boiteux, Florianópolis passava por um forte processo de modernização e embelezamento, e a Avenida Hercílio Luz era um marco dessa etapa da história da cidade:

Juntamente com a construção da avenida [Hercílo Luz], se deu às suas margens uma série de desapropriações para a construção de importantes edifícios, como o da Escola Normal e o do Instituto Politécnico (grifo meu), os maiores da cidade na época, de arquitetura imponente levantados dentro dos princípios da arte e da técnica. Dessa forma, todas as margens da avenida ficaram reservadas para construção de prédios que contribuíssem para a nova imagem que a cidade queria apresentar. (MULLER, 2002, p. 112)

O edifício, moderno para os padrões da época, gozava o status de ser o segundo maior da capital. Naquele período, buscava-se uma sonhada "modernidade", a exemplo de grandes centros, como o Rio de Janeiro, a partir de reformas urbanas contundentes. "Com seus 682 m² de área construída, sua imponência ficava atrás apenas do edifício vizinho da Escola Normal, maior prédio de então". (VEIGA, 2008, p.221)

O Instituto Polytechnico passou a ocupar o prédio antes mesmo de sua conclusão, ocorrida parcialmente em 1925, uma vez que há registro de atividades do Instituto Polytechnico na edificação já em 1924. "Entre 1924 e 1925, o Instituto foi então instalado, no prédio ainda em obras, na avenida Hercílio Luz, nº 47, onde permaneceu até sua extinção" (SOUSA & VELLOSO, s/data, p.2). Não há registro de uma data precisa para a inauguração do prédio, há fontes que sugerem adequações até 1929.

(por Rodrigo Rosa, historiador)