FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

A partir desta terça-feira, dia 28, a Casa dos Açores - Museu Etnográfico, em Biguaçu, reabre para visitação do público. Serão seguidos os protocolos de segurança contra Covid-19: na entrada haverá medição de temperatura e controle do uso obrigatório de máscaras (que devem ser posicionadas corretamente, cobrindo nariz e boca). Somente poderão entrar cinco pessoas por vez e não será permitido tocar nos objetos expostos.

O local funcionará de terça a domingo, das 8h às 12h e das 13h às 17h.

Administrada pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), a Casa dos Açores, construída no século XIX, abriga o Museu Etnográfico, no município de Biguaçu. No local, o visitante poderá conferir o acervo de móveis, objetos, trajes e outras peças que preservam costumes e tradições da cultura açoriana. 

Distante cerca de 20 quilômetros do centro de Florianópolis, é um exemplar arquitetônico da colônia açoriana-madeirense da localidade de São Miguel. 

O Museu Etnográfico, localizado na Casa dos Açores, em Biguaçu, terá seu espaço expositivo requalificado, com a revisão e adequação do acervo existente e recebido em doação, de acordo com a linha conceitual da instituição. O edital para a realização dos trabalhos foi anunciado pela presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Ana Lúcia Coutinho, durante a solenidade em comemoração pelos 40 anos da FCC, na noite desta quarta-feira (24), no Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis.

O edital de Tomada de Preços nº 004/2019 já está disponível para consulta no Portal de Compras do Governo do Estado (www.portaldecompras.sc.gov.br). Os documentos de Habilitação, Proposta Técnica e da Proposta de Preços devem ser entregues até o dia 29 de maio de 2019, às 15h, no Protocolo da Fundação Catarinense de Cultura, localizado na Avenida Governador Irineu Bornhausen, nº 5.600,  Agronômica – Florianópolis. A abertura dos envelopes de Documentos (Habilitação) ocorrerá no dia 29 de maio de 2019, até as 15h10; e dos demais no dia 12 de julho de 2019, até as 15h.

Serão investidos R$ 225.719,00 em parceria com o Ministério Público, com o objetivo de desenvolver o projeto de requalificação do espaço expositivo, rediscutir os trajetos de visitação, a utilização dos espaços internos e externos, aprimorar os suportes e a comunicação expositiva (painéis, etiquetas, descrições, suportes tecnológicos, entre outros), a iluminação e demais elementos físicos que compõem a expografia, bem como elaborar orçamento de execução desta exposição. "Queremos que o Museu seja um portal de entrada, uma referência na salvaguarda da cultura açoriana no litoral catarinense", destacou Ana Lúcia Coutinho durante o anúncio.

Em análise realizada pela equipe técnica da Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural da FCC, foram diagnosticados problemas no espaço expositivo, tanto na questão da seleção dos acervos, organização da exposição e comunicação com o público. O local passou recentemente por revisão e ajustes possíveis, conforme as condições materiais e técnicas disponíveis. Desta forma, foi disponibilizado ao público um rico acervo, mas a comunicação e a proteção destas peças ainda precisam de melhorias.

O projeto deve criar as condições necessárias para acondicionar o acervo recebido em doação do Grupo Arcos Pró-Resgate da Memória Histórica, Artística e Cultural de Biguaçu, composto por trajes folclóricos originais das ilhas dos Açores e litoral catarinense, material bibliográfico e audiovisual, artesanato de referência cultural, instrumentos musicais, materiais de escritório, documentos permanentes e fotografias. Por se tratar de imóvel tombado, todos os projetos deverão ser elaborados respeitando os valores estéticos e culturais do imóvel que sedia o Museu, com o mínimo de interferência na autenticidade histórica, estética, dos materiais, dos processos construtivos, do espaço envolvente ou outras.

Relevância Histórica

Além da localização privilegiada, que facilita o acesso com segurança de escolas e visitantes, a Casa dos Açores faz parte de um conjunto arquitetônico e paisagístico de grande relevância para a história de Santa Catarina, a Vila de São Miguel, que compreende a Igreja Matriz, o cemitério centenário, o sobrado, as cacimbas, a fonte de escravos e sua respectiva chácara, remanescente de um engenho, e o Aqueduto. As bases da povoação desta Vila remontam a meados do século XVIII e deve-se a suas características geográficas: o porto natural, a praia, e fartura no fornecimento de água doce, além da sua proximidade com a Fortaleza de Santa Cruz. Após a tomada da Ilha de Santa Catarina pelos espanhóis em 1777, São Miguel passa a ser a capital da Capitania entre maio e julho de 1778.

A Casa dos Açores, construída no século XIX, abriga o Museu Etnográfico. O imóvel foi adquirido pelo Governo do Estado de Santa Catarina em 1978 e passou por restauração para se transformar em museu, inaugurado no dia 4 de março de 1979. A edificação, juntamente com a Igreja de São Miguel Arcanjo, a chácara e os arcos do antigo aqueduto, é tombada pela FCC, em âmbito estadual, e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em âmbito federal. 

Nesta segunda-feira (4) o Museu Etnográfico, em Biguaçu, completa 40 anos de inauguração. Nas últimas quatro décadas, o espaço localizado na histórica Casa dos Açores, construída no século XIX, foi responsável pela preservação da memória e cultura dos luso-açorianos que colonizaram o litoral catarinense.

Distante cerca de 20 quilômetros do centro de Florianópolis, a Casa é administrada pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC). O imóvel foi adquirido pelo Governo do Estado de Santa Catarina em 1978, e passou por restauração para se transformar em museu, inaugurado no dia 4 de março de 1979. A edificação tombada forma, junto com a Igreja de São Miguel Arcanjo, a chácara e os arcos do antigo aqueduto, um belo conjunto arquitetônico.

Atualmente, o público encontra exposições que fazem um resgate dos costumes do povo açoriano que veio para Santa Catarina, com objetos em cerâmica; mobiliário antigo; os engenhos - maquetes de engenhos de cana-de-açúcar, farinha e serraria; a Casa do Pescador - com material usado na atividade econômica típica dos colonizadores; além da exposição Grupo Arcos Pró-Resgate da Memória Histórica, Artística e Cultural de Biguaçu, com acervo de trajes folclóricos originais da Ilha dos Açores e litoral catarinense, material bibliográfico, artesanato de referência cultural, instrumentos musicais, pau-de-fita, entre outros objetos.

O Museu recebe, ainda, grupos escolares e de idosos previamente agendados para sua Matinê. Na ocasião, o público assiste à exibição de filmes catarinenses que fazem parte do acervo do Museu da Imagem e do Som (MIS/SC) e foram cedidos especialmente para o projeto. Para marcar hora, basta entrar em contato com o Museu pelo telefone (48) 3665-6195. Quem quiser passar um dia em meio à natureza também pode procurar pelo museu, que conta com um pomar e churrasqueiras abertos à comunidade.

Neste Carnaval, o Museu Etnográfico abrirá normalmente no sábado e domingo (2 e 3/3). Já na segunda e terça-feira (4 e 5/3) estará fechado. Volta a atender ao público normalmente na quarta-feira (6/3), a partir das 9h.

Serviço:

Museu Etnográfico Casa dos Açores
Localização: BR-101, km 189 - Balneário São Miguel - Biguaçu (SC)
Contato: (48) 3665-6195
Horário de atendimento: de terça a domingo, das 8h às 12h e das 13h às 17h.
Entrada gratuita.

Foi concluída em dezembro a primeira etapa de descarte de acervo do Museu Etnográfico Casa dos Açores, em Biguaçu. Para essa atividade, foi nomeada uma comissão de descarte, composta por técnicos da Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), com profissionais das áreas de museologia, arquitetura, história e conservação. Ao fim do processo, foram doados 106 painéis à Secretaria de Educação do município de Biguaçu, para aproveitamento didático, e 24 painéis foram destruídos por estarem desatualizados ou sem condições de uso.

Conforme o coordenador do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), Renilton Assis, esses painéis haviam sido tombados como acervo, porém, identificou-se que não teriam relação do foco do museu de preservar a história e a cultura dos açorianos e seus descendentes em Santa Catarina. "Com essa ação conseguimos definir com mais clareza quais peças têm identidade com o museu. Também foi possível liberar espaço no acervo, já que trata-se de um museu pequeno", explica.

Os trabalhos da comissão de descarte levaram cerca de um ano para serem concluídos. A tarefa teve diferentes etapas, passando pela análise de conteúdo, de relevância histórica e de condições físicas dos materiais que estavam no acervo. Os painéis descartados integraram exposições organizadas por ocasião dos 500 anos do Descobrimento do Brasil.

O Museu Etnográfico Casa dos Açores está localizado na BR-101, em São Miguel, no município de Biguaçu. Em 2018, o espaço recebeu 13,3 mil visitantes que assinaram o livro de visitas.

Ascom FCC

 

Uma exposição com 30 peças em cerâmica mostra a arte ceramista dos índios Guarani, povo que habita o território catarinense desde antes da chegada dos colonizadores europeus, chega ao Museu Etnográfico Casa dos Açores, em Biguaçu.

A técnica foi estudada durante 13 anos pelo artista plástico Jone Cezar de Araújo , que visitou a maioria dos municípios catarinenses que possuem, em seu acervo, peças originais e em ótimo estado de conservação.

A abertura será no dia 18 de agosto, às 18h, no Museu Etnográfico Casa dos Açores, em Biguaçu, e contará com a participação do Coral das Crianças Guaranis, da comunidade de São Miguel.

A mostra ficará em cartaz durante dois meses e a visitação é de terça a domingo das 8h às 12h e das 13h às 17h, com entrada gratuita.

Serviço:

Exposição Cerâmica Arqueológica Guarani
Visitação: de 18 de agosto a 18 de outubro de 2018
Horários: de terça a domingo das 8h às 12h e das 13h às 17h
Entrada gratuita.