FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido


A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes/MEC aprovou a proposta de mestrado profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan. A reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior - CTC-ES foi realizada entre 28 de fevereiro e 1º de março, e a aprovação foi publicada no dia 4 de março no portal da Capes (www.capes.gov.br).

O mestrado do Iphan manterá a essência do Programa de Especialização em Patrimônio – PEP, criado pelo Iphan em 2004, visando o atendimento à demanda de formação pós-graduada de profissionais de diversas áreas de conhecimento interessados em atuar no campo da proteção do patrimônio em nível regional e federal.

A formação continuará sendo interdisciplinar conjugando aspectos sociais, históricos, jurídicos e urbanísticos, relacionados à proteção do patrimônio cultural. O corpo docente permanente será formado por técnicos especialistas, mestres e doutores do quadro de servidores do Iphan e de outras instituições.

A sede do mestrado é no Rio de Janeiro, no edifício Palácio Gustavo Capanema, sede histórica do Iphan e que abriga seus principais acervos – arquivo e biblioteca. A coordenação do mestrado é feita pela Coordenação-Geral de Documentação e Pesquisa do Departamento de Articulação e Fomento do Iphan – Copedoc/DAF/Iphan.

O formato descentralizado e de integração dos alunos na prática cotidiana do Iphan durante 30 horas semanais permanecem, assim como os módulos de aula, leituras dirigidas e oficinas nacionais, sendo as principais formas de alcançar um padrão nacional de formação, incluindo o repasse dos conteúdos teórico-metodológicos do campo da preservação do patrimônio cultural e a troca entre os participantes do mestrado.

Os conteúdos teórico-metodológicos são organizados em uma área de concentração: Interdisciplinaridade e preservação do patrimônio cultural, dividida em duas linhas de pesquisa, sendo a primeira Patrimônio Cultural: história, política e sociedade e a segunda, Patrimônio Cultural: instrumentos, informação e desenvolvimento. Ambas atendendo às demandas contemporâneas de formação profissional neste campo.

Para o trabalho de conclusão do mestrado continuará sendo exigido o desenvolvimento de um projeto de pesquisa, cujo objeto de estudo é definido a partir de uma questão identificada no cotidiano da prática profissional. Para obtenção do grau de mestre o aluno deverá realizar as atividades referentes à prática supervisionada, os conteúdos teórico-metodológicos e a defesa do trabalho de conclusão em sessão pública, perante uma banca examinadora aprovada pela coordenação do programa.

Assim como o PEP, o mestrado permanecerá selecionando profissionais de diversas áreas de formação de interesse do campo da preservação do patrimônio cultural, por meio de edital público. A definição das áreas de formação e as atividades a serem desenvolvidas são de responsabilidade das unidades do Iphan que se candidatam a receber os alunos do Mestrado. São, atualmente, 67 unidades em 54 cidades brasileiras distribuídas em 27 superintendências estaduais, 27 escritórios técnicos, 4 unidades especiais e 9 unidades na Administração Central em Brasília e no Rio de Janeiro.

A experiência do PEP
Com a criação do Programa de Especialização em Patrimônio – PEP, no final de 2004, o Iphan abriu uma nova frente de formação multidisciplinar especializada para o campo do patrimônio cultural.  Concebido com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - Unesco e o acompanhamento da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério de Relações Exteriores - ABC/MRE, o PEP implantou uma formação profissional a partir do diálogo entre prática e teoria, desenvolvida dentro do Iphan.

Para a formação no PEP, profissionais recém-graduados eram selecionados por meio de edital público e recebiam bolsas de estudos para, ao longo de dois anos, participar das práticas cotidianas de preservação nas unidades do Iphan, supervisionados pelos técnicos da Instituição e do aprendizado teórico-metodológico em módulos de aulas, leituras dirigidas e oficinas nacionais, promovidos pela Copedoc. Ao final do Programa os bolsistas elaboravam uma monografia baseada em suas reflexões sobre a prática.

O desenvolvimento dessa pesquisa caracterizava a formação interdisciplinar dos bolsistas, uma vez que sua construção no contexto do PEP era marcada pelos diversos temas e disciplinas que compõem o campo do patrimônio cultural e pela interação com diferentes profissionais e interesses institucionais, relativos à preservação do patrimônio cultural.

Até o momento 90 bolsistas de quatro turmas concluíram o PEP, uma turma está em andamento, com 29 bolsistas. Em função dos resultados obtidos, a elaboração de uma avaliação tornou-se imprescindível para seu aprimoramento e a sua candidatura a categoria de pós-graduação stricto sensu – Mestrado Profissional. Além de uma avaliação realizada pela própria equipe de coordenação, o PEP foi avaliado pelo consultor da Unesco, Flávio Carsalade, da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, processos que estabeleceram os indicadores relativos à formação, à produção intelectual e ao impacto social do programa.

As primeiras três turmas do PEP reuniram um universo de 74 bolsistas de 19 diferentes áreas de formação foram objeto de mapeamento e estudo de indicadores. O índice de aproveitamento dos egressos no campo de preservação do patrimônio cultural no Brasil, tendo alcançado 85% e a evasão foi de 17%. O mapeamento possibilitou, ainda, verificar o universo profissional para atuação dos formados pelo PEP, como a integração direta desses profissionais nas instituições públicas que formam o Sistema Nacional de Patrimônio, a participação em ONGs, em consultorias, no magistério etc.

A proposta de Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural passou a ser avaliada desde novembro de 2010 pela Comissão de Avaliação da Área Interdisciplinar. Os dois professores pareceristas aprovaram a proposta, ressaltando o seu caráter interdisciplinar, o fato de ser desenvolvido dentro das unidades do Iphan, lócus de pesquisa, conservação e preservação do patrimônio cultural, e por contar com corpo docente experiente.

Ao valorizar a experiência acumulada na Instituição e atender às demandas de pesquisa das suas unidades descentralizadas, o mestrado favorece a constituição do Sistema Nacional de Patrimônio Cultural, que pressupõe a implantação de uma gestão compartilhada dos bens culturais em todo território brasileiro, unindo as três esferas de governo, universidades e sociedade civil.

Fonte: Ascom Iphan

repensando museus: museu, educação e infância

Esse blog pretende ser um espaço dinâmico de comentários e de reflexão crítica sobre museus, particularmente acerca de suas práticas educativas e sua relação com as crianças. O uso do gerúndio no título vem marcar a consciência de sua provisoriedade, de sua dinâmica - a certeza de que essas reflexões estão em processo. Futuramente, ele estará atrelado a um site de mesma temática.

http://www.repensandomuseus.blogspot.com/

Estão abertas as inscrições para os Mestrados

 

O Centro Universitário La Salle – Unilasalle, a fim de aprimorar os conhecimentos da comunidade, anuncia, através da Diretoria de Extensão, Pós-Graduação e Pesquisa, o edital de complementação de vagas para os Programas de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais, e Avaliação de Impactos Ambientais em Mineração. Estão disponíveis 15 vagas para mestrado, em cada um dos programas e a seleção é feita por meio de análise curricular e entrevista. As inscrições podem ser feitas no protocolo da instituição, localizado no saguão do prédio 1.
Clique AQUI e acesse o requerimento de inscrição.


Edital - Memória Social e Bens Culturais
Edital - Avaliação de Impactos Ambientais em Mineração


O UNILASALLE oferece à comunidade acadêmica três opções de cursos de pós-graduação stricto sensu recomendados pela Capes:

-    Mestrado Acadêmico em Avaliação de Impactos Ambientais em Mineração; 
-    Mestrado Acadêmico em Educação; 
-    Mestrado Profissional em Memória Social e Bens Culturais.  

Fundamentados na experiência Lassalista em ensino, cuja rede compõe cerca de 1.500 unidades de ensino e um milhão de estudantes em mais de 80 países, os cursos de Mestrado do UNILASALLE foram concebidos para assegurar:-    excelência de ensino em pós-graduação;
-    integração e compromisso social;
-    promoção do desenvolvimento local e regional.






Museu e Memória é o tema sugerido pelo Conselho Internacional de Museus (Icom), para as comemorações do Dia Internacional dos Museus em 18 de maio de 2011. O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) vai celebrar a data com o mesmo tema, promovendo a 9ª Semana Nacional de Museus, que ocorrerá de 16 a 22 de maio de 2011.

O tema Museu e Memória permite uma reflexão da importância dos museus para a história dos povos e das sociedades e leva os participantes a descobrirem e redescobrirem a memória individual e coletiva. Os museus têm coleções que são fundamentais para a memória das comunidades em que vivemos. Esses objetos são expressões do nosso patrimônio natural e cultural.

SNM - A Semana Nacional de Museus é uma oportunidade para museus de todo o Brasil promoverem eventos sobre um mesmo tema e se integrarem, intensificando suas relações com a sociedade. Seminários, exposições, oficinas, espetáculos musicais, de teatro e de dança, mesas-redondas, visitas guiadas, exibições de filmes e um diversificado conjunto de atividades compõem a programação da semana.

Para se ter uma idéia do crescimento da iniciativa, em 2003 foram organizados cerca de 270 eventos, ao passo que em 2010 este número subiu para mais de 1.700 em todos os estados brasileiros, em 588 instituições museais.
  

A Fundação Cultural BADESC, criada em 2006, nasceu da ampliação do Espaço Cultural Fernando Beck, que funcionou por 10 anos, no hall de entrada da Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (BADESC), e era destinado a exposições de artes plásticas. As seis exposições do calendário anual tem a duração de 45 dias.

Frisa-se a importância deste procedimento para que novos trabalhos possam emergir no cenário artístico atual e adensar com qualidade o circuito de Arte de Santa Catarina. Concluindo o calendário expositivo, inclui-se uma exposição de um artista convidado de renome nacional.

Veja o Edital para 2011 de Exposições no Espaço Fernando Beck.