FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

Fruto de parceria entre o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom/Unochapecó) e o Museu do Vinho de Videira, a exposição temporária "As Melodias do Vinho - a harmonização entre a música e o vinho" está aberta à visitação no Ceom, em Chapecó, até o dia 10 de abril de 2012.

"As melodias do vinho" é um projeto do museu do vinho, assinado pela museóloga Caroline Martello, e esteve na cidade de Videira em 2011. Agora, a mostra começa a itinerar pelo Oeste Catarinense, a começar por Chapecó, integrando o Programa "Museu andante" de Intercâmbio de Exposições entre Museus, do Ceom.

Durante a visitação, além de saber um pouco mais sobre as variedades viníferas e os vinhos resultantes de cada uma, o público poderá apreciar uma trilha sonora selecionada especialmente para essa exposição. para essa temporada no Ceom, também foram selecionados trechos de poesias de grandes nomes da literatura que abordam o tema e registros fotográficos retratando o cultivo da uva, a produção artesanal do vinho e o consumo da bebida na região. O visitante poderá ainda apreciar uma seleção de publicações relacionadas à enologia, e terá à disposição vinis e clássicos da literatura.

A mostra é gratuita e está no Ceom, Rua Líbano, nº 111-D, Bairro Passo dos Fortes, segundo piso da Rodoviária de Chapecó. Mais informações ou agendamento de grupos pelos telefones (49) 3323-4779 ou 3324-6914.

Fonte: Com informações de Ceom/Unochapecó

A Casa do Poeta Lindolf Bell, em Timbó, recebe entre os dias 21 de março e 13 de abril de 2012 a exposição Digitais. A mostra mistura as fotografias de Marco Struve com mãos tridimensionais esculpidas pela artista Elke Littig. Aberta de terça-feira a domingo, das 8h30min às 11h30min e das 13h30min às 17h30min.

As digitais identificam o ser humano e o tornam único. Ninguém é igual a ninguém graças, especialmente, às linhas dos dedos e das mãos. Aceitar a verdade de que somos únicos alimenta a autoestima, pois faz com que nos reconheçamos e aceitemos que somos seres distintos dos demais, uma obra de arte humana. É isso que nos traz a exposição desses dois artistas indaialenses, que pretende, ainda, integrar o objeto exposto como elemento-chave da fotografia.

A exposição é uma parceria entre a Fundação Cultural de Timbó e a Casa do Poeta Lindolf Bell, que fica à Rua Quintino Bocaiúva, 902, Bairro Quintino, em Timbó. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (47) 3399-2074 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

A exposição Cores, Traços e Rastros, com desenhos e aquarelas de Mário César Coelho, apresenta imagens feitas pelo artista ao longo dos anos, retratando paisagens de Florianópolis. A abertura será no dia 28/03/2012, às 20h, na Sala Vento Sul do Museu Hassis, em Florianópolis.

A mostra tem curadoria do curso de Museologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), desenvolvida na disciplina Exposição Museográfica II, sob a responsabilidade da professoa Drª. Maria Bernardete Ramos Flores. Além dos trabalhos realizados nos últimos dois meses por Mário, a exposição também exibe, em forma de arquivo, obras realizadas nas últimas duas décadas e que, por vezes, focam o mesmo objeto.

Mário César Coelho nasceu em Florianópolis e desenha desde criança. Atualmente, é professor do Departamento de Expressão Gráfica do Centro de Comunicação e Expressão da UFSC.

Serviço:

O que: Exposição Cores, Traços e Rastros
Onde: Sala Vento Sul - Museu Hassis (Rua Luis da Costa Freysleben, 87 - Itaguaçu)
Abertura: 28/03, às 20h
Visitação: de 28/03 a 02/05/2012
Encontros com o artista: dias 13 e 27 de abril, das 15h às 17h
Informações: (48) 3244-1082 / 8439-1532

Formação e discussão sobre temas relativos aos museus. Este é o objetivo do projeto Museu em Curso, uma realização da Secretaria de Cultura e Arte e Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral - UFSC, em parceria com a Associação dos Amigos do Museu Universitário. A cada mês, será realizada uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica.

A décima primeira ocorrerá no dia 29 de março, das 16h às 18h, no auditório do Museu Universitário. O ministrante será o Engenheiro Mecânico Saulo Guths, professor da Universidade Federal de Santa Catarina. A palestra intitulada "Degradação de Acervos: Parâmetros Ambientais e Métodos de Controle", abordará o conhecimento básico dos fenômenos envolvidos para a implementação de uma política de preservação, assim como das formas de medição e das diferentes soluções que possam ser aplicadas dentro do contexto da instituição.

Tanto a teoria básica quanto a prática concordam que a temperatura e a umidade relativa são os fatores primários que controlam as taxas de deterioração: decadência química, danos mecânicos e biodeterioração. Serão apresentados os principais parâmetros de influência da temperatura e umidade, a definição de Umidade Relativa e Umidade Absoluta, o fenômeno de condensação superficial, as técnicas de medição da temperatura e umidade, a definição do Índice de Preservação. Serão ainda apresentados os métodos clássicos de controle de temperatura e umidade relativa, e métodos alternativos desenvolvidos especialmente para conservação de acervos.
 
Saulo Guths é Professor Adjunto do Curso de Engenharia Mecânica da UFSC. Atua nas seguintes linhas de pesquisa: Desenvolvimento de micro sensores térmicos; Análise Térmica de Edificações; Desenvolvimento de termo-anemômetros a efeito Peltier; Desenvolvimento de um sistema de gerenciamento térmico para museus e arquivos; Desenvolvimento e construção de bancadas didáticas; Desenvolvimento e construção de transdutores de fluxo de calor e Medição de resistência térmica de materiais isolantes.
 
Serviço:

O que: Museu em curso: "Degradação de Acervos: Parâmetros Ambientais e Métodos de Controle" com Saulo Guths
Quando: 29 de março de 2012, das 16h às 18h
Onde: Auditório do Museu Universitário
Quanto: Entrada franca
Informações: (48) 3721-8604 ou 9325
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Serão fornecidos certificados

Fonte: Com informações do Museu Universitário da UFSC

A Câmara analisa proposta que obriga o Ministério do Trabalho e Emprego a criar regras complementares à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT- Decreto-lei 5452/43) para proteção das pessoas que trabalham em arquivos, bibliotecas, museus e centros de documentação e memória. A medida está prevista no Projeto de Lei 2361/11 que, na prática, abre espaço para que esses profissionais recebam adicional de insalubridade, a ser definido em norma do Ministério. Este adicional é previsto na Constituição, que determina que ele seja regulamentado por lei.

O autor da proposta, deputado Carlinhos Almeida (PT-SP), diz que essa é uma reivindicação antiga dos trabalhadores da área. "Esses profissionais estão constantemente expostos a agentes biológicos e químicos, todos causadores de graves doenças, principalmente respiratórias. Apesar disso, não foram contemplados em norma do Ministério do Trabalho para que recebam o adicional", argumentou.

Classificação necessária

O deputado ressalta que a atividade em condições adversas proporciona ao trabalhador o adicional de insalubridade que incide sobre o seu salário base. Mas, lembra ele, o reconhecimento desse direito não se dá com a simples constatação da insalubridade por meio de laudo pericial. É necessária a classificação da atividade insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho, segundo têm decidido os tribunais.

Tramitação

A proposta, que tramita de forma conclusiva, será analisada pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta: PL-2361/2011 

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Fonte: Agência Câmara de Notícias