FCC FacebookTwitterYoutube

Logo GOV SC 2019 Colorido

Será lançado na próxima quinta-feira (10), o livro "Drama e teatralidade: o ensino do teatro na escola", escrito pela mestre em teatro e professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Heloise Baurich Vidor.

O lançamento será na Livraria Saraiva MegaStore, no Shopping Iguatemi, às 19h.

O livro aponta as possibilidades que existem para o professor de teatro desenvolver seu trabalho com esta linguagem dentro ou fora da sala de aula. Com a pesquisa apresentada, a autora propõe uma discussão mais aprofundada sobre o papel lúdico de um professor, utilizando-se de duas práticas realizadas dentro do processo pedagógico. Estas metodologias visam enfrentar problemas correntes dos alunos como indisciplina e desinteresse pela escola.


Sobre a Autora:
Heloise Baurich Vidor é atriz, Mestre em Teatro e professora efetiva do Departamento de Artes Cênicas da UDESC, na área de Pedagogia do Teatro.
O livro ?Drama e Teatralidade: O Ensino de teatro na escola? foi publicado pela editora Mediação, contemplado com o Edital Elizabeth Anderle de Estímulo à Cultura, promovido da Fundação Catarinense de Cultura.

Serviço
O Quê: Lançamento do Livro Drama e Teatralidade: o ensino do teatro na escola
Onde: Livraria Saraiva MegaStore ? Shopping Iguatemi ? Florianópolis
Quando: 10/06 ? Quinta-feira
Horário: 19h
Entrada: Gratuita

Será inaugurada no dia 2 de junho, às 19h30, no Espaço da Cultura Popular da Fundação Cultural de Blumenau, a exposição "Pêssankas: ovos escritos, poemas imagéticos".

O público terá a oportunidade de conhecer e adquirir as pêssankas produzidas por artesãos descendentes de ucranianos da comunidade de Iracema, distrito do município catarinense de Itaiópolis. A mostra ficará aberta até 31 de agosto.

A exposição é uma realização do Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart) da Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro (Acamufec), em convênio com o Ministério da Cultura no âmbito do Programa Mais Cultura, e tem o apoio da Ong Cultura Popular, de Blumenau.

A obra

A palavra deriva do verbo pessati, que significa escrever. Nas pêssankas, cada traço, figura e cor têm significados especiais, por exemplo, as figuras de peixes remetem ao cristianismo, as de flores, ao amor e à felicidade, as de animais, como o cavalo, à riqueza e à saúde. O roxo, na pêssanka, é a cor da alta vibração e representa a fé e a confiança, o amarelo é a cor consagrada às divindades da luz - lua e estrelas ? e simboliza pureza e luz, boa colheita e sabedoria, e assim por diante. Alguns desses símbolos são comuns em toda a Ucrânia; outros são específicos de determinada região daquele país. No Brasil, estão presentes na produção atual, conservando significados que expressam a intenção daquele que faz da pêssanka objeto para presentear parentes e amigos.

As pêssankas confeccionadas pelos artesãos de Iracema fazem parte dos costumes trazidos pelos imigrantes ucranianos que vieram para o Brasil no final do século 19, em busca de melhores condições de vida, e mantidos ainda hoje por seus descendentes. Entre esses costumes estão a língua, a culinária, a intensa religiosidade são católicos do rito oriental ? e o rico artesanato.

Em Iracema, existem variações no modo como as pêssankas são feitas. Uma delas é muito disseminada entre os moradores, que as produzem especialmente na Semana Santa. Ainda crus, os ovos são desenhados com cera de abelha derretida. Depois, cozidos em água misturada a pigmentos naturais ou artificiais. Em seguida, com um pano macio, a cera é retirada e, assim, as imagens inscritas com a cera se revelam. Juntas a outros alimentos, como manteiga, pães, lingüiça, toucinho, carne de porco assada, bolos e hrim ? mistura de raiz forte, beterraba e temperos ?, as pêssankas são levadas para a bênção do padre, que percorre toda a comunidade, visitando as residências onde as pessoas aguardam reunidas.Essas pêssankas são consumidas como alimento bento no café da manhã do domingo de Páscoa.

Outra modalidade de pêssanka presente em Iracema é produzida principalmente por Célia Miretki e suas aprendizes. São ovos não-comestíveis e que servem como amuleto contra infortúnios, desastres e problemas de saúde. Podem conter a clara e a gema ou serem esvaziados, como vem acontecendo atualmente. Sua técnica de produção envolve um processo de ocultamento e revelação, pois as camadas de cores vão se sucedendo aos desenhos com cera de abelha, até o ovo estar completamente enegrecido. é o calor da chama da vela que derrete a cera aplicada e revela as imagens ali impressas.

Maurício Linécia, natural de Iracema, hoje residindo em Curitiba (PR), inovou a produção de pêssankas acrescentando novos materiais e técnicas. Utiliza ovos de madeira torneados e ovos de avestruz esvaziados, recobertos por tinta acrílica e fina camada de verniz. A técnica utilizada por Maurício também utiliza a superposição de cores, mas contraria o processo de visualização da técnica tradicional, pelo qual as imagens sofrem um processo de ocultamento e posterior revelação. Nas mãos do artista, as imagens se revelam a cada momento, pincelada a pincelada, em um processo de construção plenamente visível, extremamente minucioso e delicado.

Reedição de mostra de mesmo nome realizada em 2008, na Sala do Artista Popular do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular, no Rio de Janeiro, a exposição "Pêssankas: ovos escritos, poemas imagéticos" se constitui como ação do Promoart. O Programa desenvolve ações com a finalidade de criar uma rede de apoio aos produtores de artesanato tradicional atuando em questões que vão da produção à comercialização em grandes centros, de modo a minimizar as barreiras que dificultam e, por vezes, até mesmo impedem a livre expressão de artistas e artesãos.

Serviço

Exposição "Pêssankas: ovos escritos, poemas imagéticos"

Espaço da Cultura Popular / Fundação Cultural de Blumenau, SC

Rua XV de Novembro, 161 - Centro, Blumenau, SC

Inauguração: 2 de junho, às 19h30

Exposição e venda: De segunda a sexta-feira, das 8 às 12h e 13h30 às 17h30; sábados, domingos e feriados, das 10h às 16h

As atividades do Ponto de Cultura NEFA (Núcleo Experimental de Formas Animadas) vão entrar em ritmo de maratona cultural durante o mês de junho. Com a proposta de integrar manifestações artísticas da região e promover parcerias com grupos e iniciativas que estejam interessadas em utilizar o reformulado espaço cultural da Rua Eurico Adam, centro de Itajaí, o projeto foi aprovado pelo Governo Federal para atuar durante três anos na cidade.

Prova de que as ideias já saíram do papel é a programação artística fechada para o próximo mês, envolvendo curso clown, apresentação de teatro, participação na Virada Cultural que comemora o aniversário da cidade e encontro dos batuqueiros para estudo de maracatu.

Em parceria com o SESC Itajaí o espaço do NEFA vai receber a oficina Aprofundamento na Arte do Clown (Que quero dizer?) entre os dias 1 e 9 de junho. O ministrante é o diretor, ator e palhaço espanhol, radicado em Santa Catarina e diretor do Grupo Pé de Vento, Pene Nuñes. Os encontros estão marcados das 18h às 23h e pretendem trabalhar a arte de improvisação em clown. As inscrições, que estão abertas no valor de 80 reais para o público em geral e 60 reais para comerciantes, podem ser feitas no SESC Itajaí da Avenida Marcos Konder.

O projeto Palco Giratório do SESC vai, pela primeira vez, sair das coxias do Teatro Municipal e aportar na sede do Ponto de Cultura, em Itajaí. A apresentação do espetáculo Filhas da Mata, que vem de Rondônia para atuar na cidade, acontece no dia 8 de junho, às 20 horas. A proposta da peça é receber o público entre as cenas que vão circular nas instalações e espaços cênicos espalhados pela sede do NEFA. A entrada é gratuita e os ingressos limitados podem ser retirados na secretaria do SESC Itajaí, em horário comercial.

Já nos dias 14 e 15 de junho a Cia Manipuladora de Formas Etc e Tal, do diretor Cidval Batista Jr, coordenador do Ponto de Cultura, sobe ao palco da Praça Vidal Ramos, em frente é Igrejinha da Imaculada Conceição, para integrar a programação da Virada Cultural de Itajaí, que comemora os 150 anos de aniversário da cidade com manifestações artísticas e culturais em diversos pontos. O espetáculo infantil Um Dia será apresentado dia 14, às 14h e às 18h; Já As incríveis histórias de Joe em: coragem para quem tem medo, de público infantil e adolescente, será apresentado dia 15, às 15h e às 19h. Programa gratuito.

A oficina de Maracatu e ritmos africanos, que estava marcada para o início do mês de junho, foi transferida para os dias 18, 19, 20, 21 e 23 . O batuque acontece sob as ordens do Mestre Tiriba ? professor do Conservatório de Música Popular de Itajaí. O público alvo é tanto de percussionistas que queiram aperfeiçoar e trocar experiências na prática do Maracatu, quanto a comunidade em geral que esteja interessada em conhecer os ritmos da tradição africana. As inscrições gratuitas e com vagas limitadas seguem abertas e podem ser feitas na secretaria do NEFA, das 14h às 18horas. Os encontros acontecem sempre das 19h às 22h, no espaço de ensaios do NEFA.

PEPE NUñES


Pepe Nuñez desenvolve pesquisa na arte do clown desde 1992, quando começou sua formação viajando pelo mundo e conhecendo mestres como Gabriel Chamé (Argentina), José Ramon Jimenez (Espanha), Django Edwards (EUA), ângela de Castro (Brasil/Inglaterra), Sue Morrison (Canadá), entre outros.

CIA ETC E TAL


Fundada em 1999, a Cia Manipuladora de Formas Etc e Tal tem o objetivo de estudar o fazer teatral, a manipulação corporal por meio de técnicas do teatro contemporâneo ? com a participação em festivais, seminários, cursos e oficinas que tratassem do tema ?, a aplicação do trabalho aos corpos externos (bonecos) e objetos do cotidiano que possam ser animados. Com uma série de espetáculos apresentados e premiados em festivais nacionais, a Cia é comandada pelo ator e diretor Cidval Batista Jr. Há três anos trabalha com o projeto ?Popularização Teatral?, com o intuito de levar espetáculos gratuitos para os Centros de Educação Infantil (CEIs) que se encontram em áreas de risco da cidade. Mais informações pelo email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

NEFA
Ponto de Cultura NEFA ? Núcleo Experimental de Formas Animadas, com sede no centro da cidade e atuação em escolas e demais espaços culturais da região. O projeto, coordenado pelo diretor e ator Cidval Batista Jr., pretende ser um ambiente para incentivar e abrigar manifestações culturais de todas as vertentes: do teatro à capoeira, passando pelas artes plásticas, música, dança, circo, formas animadas e demais expressões da cultura popular. O espaço do NEFA está disponível para professores ou grupos da região que queiram realizar seus cursos e ensaios.

Para isso, basta entrar em contato com a coordenação do Ponto de Cultura pelo telefone (47) 4105-0665. Ou dirigindo-se pessoalmente à sede do Ponto de Cultura NEFA, na rua Eurico Adam, nº 118, próxima ao Angeloni da Rua Brusque. Horário de atendimento: das 14h às 18h.



Serviços:

Oficina de Clown com Pepe Nuñes

De 1 a 9 de junho, na sede do NEFA.
Inscrições: 80 reais (comunidade), 60 reais (comerciantes). Direto no SESC Itajaí.

Espetáculo Filhas da Mata
Dia 8 de junho, às 20horas, nos ambientes do NEFA.
Entrada gratuita ? retirar ingressos com antecedência na secretaria do SESC Itajaí.

Apresentação na Virada Cultural | Cia Etc e Tal

Espetáculo: Um Dia
Dia 14 de junho, 14h e 18h na Praça Vidal Ramos

Espetáculo: As incríveis histórias de Joe em: coragem para quem tem medo
Dia 15 de junho, 15h e 19h na Praça Vidal Ramos

Oficina de Maracatu

Teoria e prática com Mestre Tiriba
Dias 18, 19, 20, 21 e 23 de junho, das 19h às 22horas
Inscrições gratuitas e limitadas na secretaria do NEFA.

Mais informações:


Cidval Batista Jr., (47) 9926-2654
Secretaria do NEFA (47) 4105-0665
ww.twitter.com/nefa_

Imagens em alta resolução: www.nefa.art.br
Endereço: Rua Eurico Adam, 118 ? Próximo ao Angeloni da Rua Brusque ? Itajaí
Horário de atendimento: 14h às 18horas

Ainda há vagas para músicos que possuem proficiência em instrumentos e tem interesse em ingressar no Conservatório de Música de Itajaí. O processo seletivo para ingresso no Conservatório abriu no dia 17 de maio e segue até o dia 02 de julho. A inscrição é específica para determinados cursos e períodos que estão com vagas disponíveis para o segundo semestre. As inscrições podem ser feitas na sede do Conservatório, Rua Felipe Reiser, 200, Bairro São João, das 8h às 18h.

Músicos com idade mínima de 15 anos e proficiência nos instrumentos: contrabaixo elétrico, piano, saxofone, flauta transversa e canto, podem participar. O processo seletivo constitui-se de duas provas: de estruturação musical que identificará o nível de conhecimentos musicais; e prova prática de habilitação específica, que deverá ser executada no instrumento ou voz, conforme inscrição. O candidato passa ainda por uma entrevista para traçar seu perfil e a execução de um solfejo ou leitura rítmica.

A prova será nos dias 12 e 13 de julho e a divulgação dos resultados acontece a partir do dia 19 de julho de 2010, mediante lista afixada nas dependências do Conservatório. O Conservatório de Música Popular Cidade de Itajaí oferece cursos de instrumentos e canto, visando formar músicos que tenham proficiência no instrumento, domínio de diversos estilos e equilíbrio entre conhecimento prático e teórico, permitindo-lhes atuar profissionalmente no mercado de trabalho na área da música.

Os cursos têm duração de três anos e as admissões de alunos ocorrem anualmente após aprovação em processo seletivo, ou no segundo semestre de cada ano em eventuais editais de vagas remanescentes.

A Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes (FCFFC) definiu as atividades do projeto Oficinas de Arte-Educação nas Comunidades em 2010. A partir de junho, serão oferecidas 46 oficinas gratuitas nas áreas de música, teatro, artesanato, cultura popular, arte circense e dança em diversos bairros da Ilha e na região continental. Em 2009, a iniciativa beneficiou 3.200 pessoas em 27 comunidades.

Criado em 1995, o projeto Oficinas de Arte-Educação nas Comunidades tem como objetivo reforçar a auto-estima dos participantes, proporcionando oportunidades de geração de emprego e renda, além de contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas e para o convívio em comunidade. As oficinas são realizadas em parceria com associações, escolas municipais e estaduais, conselhos comunitários, igrejas, centros culturais, e também com unidades administradas pela FCFFC.

Relação de projetos aprovados

Oficina

Oficineiro

Acrobacia aérea em tecido

Marlon Almeida Spilhere

Arte, corpo e comunicação (dança de contato)

Vera Lúcia Costa

Boi-de-mamão

Maria das Graças Carneiro

Boi-de-mamão

Antônio Carlos Cunha

Boi-de-mamão

Ronei Manoel Gonçalves

Boi-de-mamão

Reonaldo Manoel Gonçalves

Boi-de-mamão

Rogério Martins

Boi-de-mamão

Márcio Guimarães

Boi-de-mamão

Nei Batista de Souza

Bordados a mão (artesanato)

Marta E. Piller

Brincando com as mãos (artesanato)

Jutiara Lucimar Vieira

Capoeira

Paola Vicenzi Franco

Cerâmica (artesanato)

Joice Anastácia

Cerâmica (artesanato)

Eduardo de Souza

Circo

José Milton Brumm de Oliveira

Coral

Maria Cristina Pagotto Tonussi

Crivo (artesanato)

Rute Silva da Costa

Dança

Marcelo Cavalcanti da Silva

Dança

Mayana Marengo Machado

Dança

Marcelo Franco (Faísca e Fumaça)

Dança

Rafaela da Silva

Dança de contato

Ana Maria Alonso Krischke

Dança de rua

Lincon Vieira Soares

Dançarte (dança)

Fátima Regina Coutinho

Fuxico (artesanato)

Dorcília Rafael Penedo

Maculelê

Miguel Horácio Adão

Música (Banda Amor à Arte)

Nélio Farias

Música (Banda Comercial)

Mário João Daniel

Música (Banda da Lapa)

José Carlos Correa

Música (piano)

Alexandre Dietrich

Música (violão)

Roberto Araújo Gil

Música de Câmara

Eugênio Menegaz

Música na escola

Ademário da Silva Mattos Filho

Música no Rancho da Canoa

Getúlio Manoel Inácio

Pathcolagem (artesanato)

Sandra Regina Seeman de Souza

Percussão (Africatarina)

Edison Roldan da Silveira

Percussão do Boi-de-mamão

Rodrigo Búrigo Sardá

Renda de bilro (Maria Morena)

Francisca Maria Alves Vieira

Renda de bilro (Tradicional)

Nerivalda Duarte de Sousa

Renda de bilro (Tradicional)

Eliane Inedina Vieira

Renda de bilro (Tramóia)

Norma Nunes D?ávila

Teatro

Natanael Machado

Teatro

Flávia Janiaski

Teatro

Wilson Anthony Alano

Teatro de bonecos

Vanda Porciúncula

Terno de Reis / Cantoria

Zezo Avena