FCC FacebookTwitterYoutube

A exposição Cores, Traços e Rastros, com desenhos e aquarelas de Mário César Coelho, apresenta imagens feitas pelo artista ao longo dos anos, retratando paisagens de Florianópolis. A abertura será no dia 28/03/2012, às 20h, na Sala Vento Sul do Museu Hassis, em Florianópolis.

A mostra tem curadoria do curso de Museologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), desenvolvida na disciplina Exposição Museográfica II, sob a responsabilidade da professoa Drª. Maria Bernardete Ramos Flores. Além dos trabalhos realizados nos últimos dois meses por Mário, a exposição também exibe, em forma de arquivo, obras realizadas nas últimas duas décadas e que, por vezes, focam o mesmo objeto.

Mário César Coelho nasceu em Florianópolis e desenha desde criança. Atualmente, é professor do Departamento de Expressão Gráfica do Centro de Comunicação e Expressão da UFSC.

Serviço:

O que: Exposição Cores, Traços e Rastros
Onde: Sala Vento Sul - Museu Hassis (Rua Luis da Costa Freysleben, 87 - Itaguaçu)
Abertura: 28/03, às 20h
Visitação: de 28/03 a 02/05/2012
Encontros com o artista: dias 13 e 27 de abril, das 15h às 17h
Informações: (48) 3244-1082 / 8439-1532

Formação e discussão sobre temas relativos aos museus. Este é o objetivo do projeto Museu em Curso, uma realização da Secretaria de Cultura e Arte e Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral - UFSC, em parceria com a Associação dos Amigos do Museu Universitário. A cada mês, será realizada uma palestra voltada para as diversas áreas da teoria e da prática museológica.

A décima primeira ocorrerá no dia 29 de março, das 16h às 18h, no auditório do Museu Universitário. O ministrante será o Engenheiro Mecânico Saulo Guths, professor da Universidade Federal de Santa Catarina. A palestra intitulada "Degradação de Acervos: Parâmetros Ambientais e Métodos de Controle", abordará o conhecimento básico dos fenômenos envolvidos para a implementação de uma política de preservação, assim como das formas de medição e das diferentes soluções que possam ser aplicadas dentro do contexto da instituição.

Tanto a teoria básica quanto a prática concordam que a temperatura e a umidade relativa são os fatores primários que controlam as taxas de deterioração: decadência química, danos mecânicos e biodeterioração. Serão apresentados os principais parâmetros de influência da temperatura e umidade, a definição de Umidade Relativa e Umidade Absoluta, o fenômeno de condensação superficial, as técnicas de medição da temperatura e umidade, a definição do Índice de Preservação. Serão ainda apresentados os métodos clássicos de controle de temperatura e umidade relativa, e métodos alternativos desenvolvidos especialmente para conservação de acervos.
 
Saulo Guths é Professor Adjunto do Curso de Engenharia Mecânica da UFSC. Atua nas seguintes linhas de pesquisa: Desenvolvimento de micro sensores térmicos; Análise Térmica de Edificações; Desenvolvimento de termo-anemômetros a efeito Peltier; Desenvolvimento de um sistema de gerenciamento térmico para museus e arquivos; Desenvolvimento e construção de bancadas didáticas; Desenvolvimento e construção de transdutores de fluxo de calor e Medição de resistência térmica de materiais isolantes.
 
Serviço:

O que: Museu em curso: "Degradação de Acervos: Parâmetros Ambientais e Métodos de Controle" com Saulo Guths
Quando: 29 de março de 2012, das 16h às 18h
Onde: Auditório do Museu Universitário
Quanto: Entrada franca
Informações: (48) 3721-8604 ou 9325
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Serão fornecidos certificados

Fonte: Com informações do Museu Universitário da UFSC

A Câmara analisa proposta que obriga o Ministério do Trabalho e Emprego a criar regras complementares à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT- Decreto-lei 5452/43) para proteção das pessoas que trabalham em arquivos, bibliotecas, museus e centros de documentação e memória. A medida está prevista no Projeto de Lei 2361/11 que, na prática, abre espaço para que esses profissionais recebam adicional de insalubridade, a ser definido em norma do Ministério. Este adicional é previsto na Constituição, que determina que ele seja regulamentado por lei.

O autor da proposta, deputado Carlinhos Almeida (PT-SP), diz que essa é uma reivindicação antiga dos trabalhadores da área. "Esses profissionais estão constantemente expostos a agentes biológicos e químicos, todos causadores de graves doenças, principalmente respiratórias. Apesar disso, não foram contemplados em norma do Ministério do Trabalho para que recebam o adicional", argumentou.

Classificação necessária

O deputado ressalta que a atividade em condições adversas proporciona ao trabalhador o adicional de insalubridade que incide sobre o seu salário base. Mas, lembra ele, o reconhecimento desse direito não se dá com a simples constatação da insalubridade por meio de laudo pericial. É necessária a classificação da atividade insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho, segundo têm decidido os tribunais.

Tramitação

A proposta, que tramita de forma conclusiva, será analisada pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta: PL-2361/2011 

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Fonte: Agência Câmara de Notícias

A Revista do Arquivo Histórico de Joinville está recebendo artigos, resenhas e traduções de textos e/ou documentos pesquisados no acervo da instituição para compor a seção Documentação, para a publicação do seu terceiro número, até o dia 30 de abril de 2012.

Além de trabalhos referentes às histórias da cidade de Joinville e da região, este periódico objetiva também apresentar artigos sobre patrimônio cultural, memória, história, arquivologia, preservação e educação patrimonial. Sublinha-se que neste número pretende-se também organizar um dossiê temático sobre “Arquivo Histórico de Joinville e a Cidade” em comemoração aos 40 anos da instituição.

Os textos encaminhados às seções Artigos, Documentação, e Resenhas da revista, serão aprovados por dois membros do Conselho Consultivo ou por outros pareceristas designados pelo Conselho Editorial. As demais seções serão elaboradas pelo corpo técnico da instituição e revisadas pelo Conselho Editorial.

Os trabalhos a serem enviados devem ser inéditos e obedecer aos seguintes critérios:

- os artigos devem conter de 15 a 20 páginas (incluindo citações, referências, imagens e tabelas), apresentando resumo de até 10 linhas em português e inglês (abstract) e 3 palavras-chave em português e inglês (key words);
- a seção “Documentação” destina-se a apresentar textos, documentos e traduções referentes ao acervo do AHJ e devem ter no máximo 10 páginas (incluindo citações, referências, imagens e tabelas);
- as resenhas devem ter de 5 a 7 páginas;
- os textos originais devem ser digitados em Word for Windows 7.0 ou compatível, fonte times New Roman, tamanho 12, com espaço 1, 5 e margens 2,5.
- os trabalhos devem ser encaminhados após revisão ortográfica e de concordância e devem obedecer a Norma NBR 6023, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
- as notas devem constar do rodapé e as referências bibliográficas do final do texto.
- as imagens e tabelas (máximo cinco), além de vir no corpo do texto, devem também ser enviadas em arquivo JPG com 300 dpi de resolução mínima. - o(s) autor(es) será responsável pelos encaminhamentos referentes aos direitos de reprodução das imagens.
- os textos originais devem ter folhas de rosto em que conste título, em português e em inglês, nome(s) do(s) autor(es) e respectiva(s) instituição(ões) por extenso, uma breve descrição biográfica (máximo: cinco linhas) e endereço completo, inclusive e-mail e telefone. O(s) nome(s) do(s) autor(es) não deve aparecer no corpo do artigo, para garantir o anonimato do trabalho ao ser enviado aos pareceristas.
- o(s) autor(es) deverá enviar uma Carta de Autorização de Publicação, declarando o ineditismo do texto e cedendo os direitos autorais à Revista do Arquivo Histórico de Joinville.

O Conselho Editorial poderá fazer pequenas correções gramaticais, quando necessário. Durante a revisão os autores poderão ser contatados para esclarecer informações textuais ou de referências. Os autores receberão dois exemplares da Revista que contiver seu trabalho.

Os trabalhos deverão ser enviados em duas cópias impressas e uma em CD pelo correio e uma digital por e-mail, para: Revista do Arquivo Histórico de Joinville Arquivo Histórico de Joinville – AHJ Av. Hermann August Lepper, 650 – Saguaçú Joinville/SC – CEP: 89221-005 E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A revista MIDAS – Museus e Estudos Interdisciplinares convida a todos os que trabalham em museus e sobre museus a colaborar no primeiro número. MIDAS é uma nova revista de reflexão interdisciplinar de museologia, com arbitragem científica, semestral e em acesso aberto. A revista assume uma abordagem internacional, privilegiando uma relação de proximidade e diálogo com os países de língua portuguesa e espanhola.

A revista aceita artigos que favoreçam a problematização dos temas, transpondo diferentes disciplinas, territórios, perspetivas e visões em trabalhos de investigação de fertilização cruzada com fronteiras de contorno híbrido. Apresenta-se como espaço de questionamento não delimitador no qual o conhecimento é compreendido como sendo impermanente e aberto ao outro.

A revista é editada por Alice Semedo (Departamento de Ciências e Técnicas do Património da Faculdade de Letras da Universidade do Porto), Paulo Simões Rodrigues (CHAIA – Centro de História da Arte e Investigação Artística, Universidade de Évora), Pedro Casaleiro (Departamento de História Arqueologia e Artes da Faculdade de Letras, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e CIBIO), Raquel Henriques da Silva (IHA -Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa) e Ana Carvalho (CIDEHUS – Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora), na qualidade de editora assistente.

Submissão de artigos:

• Artigos até 6 mil palavras, ou cerca de 40 mil caracteres (incluindo espaços);
• Recensões (livros ou exposições) até 1,5 mil palavras ou 10 mil caracteres;
• Sistema Autor-Data do Chicago Manual of Style.

Atenção: A data limite para a submissão de artigos e recensões expira em 31 de março de 2012. Os artigos devem ser enviados por e-mail para Ana Carvalho: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Para mais informações sobre a revista consulte: www.revistamidas.hypotheses.org