FCC FacebookTwitterYoutube

O ano de 2018 foi bastante movimentado no Museu de Arte de Santa Catarina, o MASC, espaço administrado pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC) no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis. Pelo menos 20 mil pessoas passaram pelos salões do septuagenário museu catarinense.

Entre as atrações que o MASC ofereceu a este amplo público estão 21 exposições de arte, 167 visitas mediadas, 25 oficinas educativas, palestras e debates, 53 atendimentos a pesquisadores e seis edições do projeto Gerações MASC. No total, foram 272 atividades gratuitas voltadas à comunidade. O número de visitantes das exposições tende a ser cerca de 70% superior ao registrado, uma vez que é pequena a parcela de pessoas que assina o livro de registro presente nas mostras, o que dificulta a contagem real de público.

Ampliação do acervo

Com um acervo de mais de 1,8 mil peças, em 2018 novas aquisições permitiram ampliar o número de obras de arte sob a guarda do MASC. Graças ao Prêmio Elisabete Anderle, doações de
artistas, comodatos e transferência de bens patrimoniais (como as obras do acervo da extinta CODESC), o Museu conta, agora, com novos trabalhos de Antonio Vargas, Janor Vasconcelos, Giba Duarte, Diego Rayck, Claudio Trindade, Yiftah Peled, Elke Hering, Martinho de Haro, Silvio Pléticos, Eli Heil e Rodrigo de Haro.